Aba 1

Postado em 09 de Outubro de 2017 às 15h22

50% dos tomadores de empréstimos e financiamentos atrasam prestações

Acenm/CDL Apesar de a economia nacional acenar com os primeiros sinais de retomada, os consumidores ainda enfrentam algumas dificuldades para obter crédito e pagar suas contas em dia. Entre os consumidores com empréstimos e...

Apesar de a economia nacional acenar com os primeiros sinais de retomada, os consumidores ainda enfrentam algumas dificuldades para obter crédito e pagar suas contas em dia. Entre os consumidores com empréstimos e financiamentos, 34% admitem que houve atrasos ao longo do contrato e 16% dizem estar, no momento, com parcelas pendentes de pagamento, o que totaliza 50% desses consumidores com dificuldades para honrar os compromissos. É o que revela o Indicador de Uso do Crédito de agosto apurado pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

A sondagem mostra ainda que 14% dos entrevistados contraiu algum empréstimo e possui atualmente parcelas a pagar, enquanto 18% têm parcelas de financiamentos pendentes.

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, alerta para o perigo de endividamento. “A inadimplência atinge hoje cerca de 59 milhões de consumidores no Brasil, o que representa quase 40% da população adulta. O contexto de crise econômica, com desemprego elevado e redução da renda das famílias, agrava ainda mais o cenário. Diante dessa realidade, é importante que o consumidor se planeje financeiramente, evitando assumir compromissos com os quais não terá condições financeiras de arcar no futuro”, diz a economista.

A avaliação do grau de dificuldade para conseguir aprovação em empréstimos e financiamentos mostrou que 44% dos consumidores dizem considerar difícil ou muito difícil a contratação do serviço, enquanto para 18% não é nem fácil nem difícil, e para 15%, fácil ou muito fácil.

Nas lojas, considerando apenas aqueles que tentaram fazer alguma compra parcelada, 63% tiveram o crédito negado, sendo o motivo principal a inadimplência (24%), seguida da renda insuficiente (11%).

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, o cenário de recessão acaba intensificando os cuidados das instituições financeiras no momento de conceder crédito, o que dificulta seu acesso pelo consumidor. “Com a retomada gradual da economia, a situação deve se reverter. Dados recentes do Banco Central ilustram esse cenário e mostram uma pequena alta nas concessões de crédito direcionado a pessoas físicas”, avalia Pinheiro.

Cartão de crédito ainda é modalidade mais utilizada por 35% dos consumidores

De acordo com a sondagem, em agosto, 58% dos consumidores não recorreram às compras à prazo ou ao empréstimo de recursos, ante 42% que recorreram a pelo menos uma forma de crédito. Como nos meses anteriores, o cartão de crédito foi a modalidade mais utilizada, mencionada por 35% dos consumidores. Aparecem em seguida o cartão de loja/crediário, citado por 13%, o limite do cheque especial (6%), os empréstimos (4%) e, por fim, os financiamentos (3%).

O Indicador de Uso do Crédito registrou 27,2 pontos. O resultado ficou muito próximo da média dos meses anteriores. Quanto mais próximo de 100, maior o número de usuários e de frequência do uso das modalidades.

Valor da fatura aumentou para quase 40% dos usuários de cartão

Entre os usuários do cartão, 39% notaram aumento do valor de sua fatura, ao passo que 26% notaram redução e 31% disseram que o valor permaneceu o mesmo. Ainda de acordo com a sondagem, o valor médio das faturas em agosto foi de R$ 630,59.

Quanto aos produtos e serviços mais comprados com o cartão, itens de primeira necessidade encabeçam a lista das compras: 59% mencionam alimentos em supermercado, seguidos dos itens de farmácia e remédios, citados por 53%, roupas e calçados (32%), combustíveis (32%), roupas, calçados e assessórios (32%) e bares e restaurantes (28%).

Seis em cada dez consumidores pretendem cortar gastos

O Indicador de Propensão ao Consumo busca medir se o intento dos consumidores é aumentar, diminuir ou manter os seus gastos no mês posterior à pesquisa. Projetando o orçamento para o mês seguinte à coleta dos dados, ou seja, o mês de outubro, a maior parte dos consumidores (59%) pretende cortar gastos, 32% pretende manter o mesmo o nível de gasto e apenas 5% pretendem aumentar o nível de gastos.

Os efeitos da crise se destacam entre as justificativas para os que irão diminuir o consumo: 23% mencionam os altos preços, 17% o desemprego e 8% a redução da renda. Além desses, 11% citam o endividamento e a situação financeira difícil e 9% citam a intenção de fazer reserva financeira. O fato de estar sempre tentando economizar foi mencionado por 22% dos entrevistados.

Desconsiderando-se os itens de supermercado, na lista dos produtos que os consumidores pretendem comprar no mês de outubro, os remédios lideraram (23%), seguido pelas roupas, calçados e acessórios (20%). Em seguida, aparecem as recargas para telefone celular (17%), perfumes e cosméticos (11%), materiais de construção (7%), eletrodomésticos (7%), salão de beleza (6%), artigos de cama, mesa e banho (6%). Bens de maior valor aparecem só ao final da lista, com os smartphone sendo citados por 5%, os carros citados por 3% e casa própria citada por 3%. Destacam-se ainda 25% que não pretendem comprar nenhum dos itens elencados.

Refletindo sobre o estado de suas finanças em setembro, a maior parte dos consumidores (43%) disse estar no zero a zero, isto é, sem sobra nem falta de recursos.

Não é baixo, a propósito, o percentual de consumidores que dizem estar no vermelho, isto é, sem conseguir pagar todas as contas – o percentual chegou a 36%. Apenas 15% disseram estar no azul, sendo que 4% pretendem gastar sua sobra de recursos e 11% pretendem poupar.

“Esses números mostram o impacto da crise e, em muitos casos, da negligência com as próprias finanças, nos orçamentos familiares. E, como não poderia ser diferente, acabam por impactar o consumo, seja pela decisão do próprio consumidor de adia-lo, seja pela restrição do crédito”, ressalta Marcela Kawauti.

Metodologia

A pesquisa abrangeu 12 capitais das cinco regiões brasileira, a saber: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. Juntas, essas cidades somam aproximadamente 80% da população residente nas capitais. A amostra, de 800 casos, foi composta por pessoas com idade superior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

Baixe AQUI a íntegra do indicador.

Fonte: CNDL/SPC

Veja também

Maior número de feriados em dias úteis prejudica faturamento do comércio mato-grossense24/01/20 Apesar de contemplar atividades econômicas como aquelas típicas do turismo, a maioria dos segmentos do comércio principalmente os de rua  terá seu faturamento prejudicado com o excesso de feriados em dias considerados úteis. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o comércio de Mato Grosso......
Seis nomes concorrem ao prêmio de Empresário Destaque de Nova Mutum05/10/15Apenas um empresário ou uma empresária do município receberá o prêmio, que será entregue juntamente com o Top of Mind 2015 O prêmio Top of Mind 2015 terá uma novidade em relação às cinco edições anteriores. Pela primeira vez a Acenm/CDL fará uma votação para eleger um único empresário destaque do......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.