Aba 1

Postado em 26 de Julho às 16h40

Como o mercado brasileiro observa os índices de inadimplência no país

Inadimplência (15)

Novos dados levantados sobre o tema podem influenciar na visão das empresas sobre o quadro de inadimplência

Com o fim do primeiro semestre, o ambiente de negócios brasileiro segue em um misto de expectativas positivas, mas também de incertezas que, no conjunto, acabam demandando parcimônia na leitura sobre os rumos da recuperação econômica do país.

O crescimento do PIB em 1,2% - índice acima do que vinha sendo esperado pelo mercado e que coloca a economia brasileira nos patamares de pré-pandemia do 4º trimestre de 2019 em termos de volume -, aliado a variantes como o avanço da vacinação no país (cuja primeira dose chegou a cerca de 22,8% da população) são pontos que trazem mais otimismo para o empresariado brasileiro.

Confiança do empresário

Segundo Pedro Bono, CEO e cofundador na Receiv, após meses de queda, o Índice de Confiança do Empresário, medido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre), voltou a crescer, atingindo 97,7 pontos - sua maior alta desde março de 2014.

"Tal otimismo também se refletiu em outras áreas. Considerando o período entre abril e maio deste ano, no comércio, o Índice de Confiança do Comércio se elevou em 9,8 pontos. Já no setor de serviços, a alta foi de 6,4%, maior patamar desde fevereiro de 2020. Na maior parte do setor industrial, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Índice de Confiança do Empresário Industrial foi positivo em 28 dos 30 segmentos industriais brasileiros", explica Bono.

Impactos da inadimplência

Todo o cenário vivido, considerando a preocupação com a Covid-19 e o alto índice de desemprego, aumenta a imprevisibilidade dentro do contexto da inadimplência e do endividamento das famílias e das empresas no país.

O CEO analisou dados recentes que registram um aumento da inadimplência no plano empresarial (que subiu 0,5% em abril e atingiu 5,9 milhões de empresas, conforme levantamento da Serasa Experian) e no endividamento das famílias (que chegou a 67,5% em abril do ano passado, igualando ao recorde de agosto de 2020, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC).

Muito embora o efeito desse endividamento não tenha acarretado um crescimento dos índices de inadimplência das pessoas físicas, o percentual de famílias com dívidas em atraso caiu pelo oitavo mês consecutivo, conforme índice de abril da CNC.

Havendo um avanço no combate da pandemia, os efeitos negativos da inadimplência encontrarão acomodação nos patamares atuais, com perspectivas de melhora no médio prazo devido a consequente manutenção de medidas menos restritivas e a continuidade do crescimento econômico do Brasil.

"Por outro lado, se forem adotadas novas restrições econômicas pelos governadores e prefeitos que desaceleram a recuperação do país, a tendência é a de que tenhamos impactos negativos também sobre a inadimplência. Com todos estes elementos em vista, o que se pode afirmar é que ainda vivemos um momento que exige parcimônia - em que pese a melhora do PIB e do ânimo do mercado", finaliza Bono.

Fonte: Portal Contábeis

Veja também

Dívidas com bancos representam mais da metade das pendências de negativados, aponta indicador CNDL/SPC Brasil18/11/19 Número de débitos em atraso cai 2,34%; cresce número de devedores entre a população mais idosa. Nordeste é única região a registrar queda de brasileiros com restrição de CPFs, que recuou 1,00% Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito......

Voltar para Notícias

Acesse o regulamento no anexo a seguir:

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.