Aba 1

Postado em 28 de Julho de 2020 às 08h31

PIX promete isenções e agilidade em transações financeiras

Fomento (70)Economia e mercados (136)

Nova plataforma do Banco Central, PIX, ficará disponível a partir de novembro.

A nova plataforma de pagamentos digitais criada pelo Banco Central (BC), PIX, estará disponível em novembro e promete gerar transferências financeiras muito e rápidas e baratas, mexendo com os nichos das maquinetas e dos próprios bancos.

Além de gerar uma competição muito maior no mercado, forçando o barateamento das taxas decorrentes de transações bancárias como TED, DOC e cartões de débito, a nova ferramenta pode ajudar a baixar preços nos setores de comércio e serviços.

De acordo com o economista Alex Araújo, o projeto elimina a necessidade de usar intermediários para as transferências, em uma operação centralizada por uma instituição pública e reguladora como o Banco Central.

Como funciona

O PIX deverá realizar operações instantâneas de transferência financeira pelo celular, como uma carteira digital.

Com a ferramenta, o empresário poderá fazer uma venda às 19h30 de domingo e receber o dinheiro em até 10 segundos. Enquanto a mesma operação feita por cartão de débito/crédito e maquinetas levaria dias para ser finalizada.

Para facilitar, o processo será realizado pelo celular por meio de um QR Code. As contas no PIX serão vinculadas a uma instituição financeira (bancos ou fintechs) e prometem uma série de mecanismos de segurança para evitar fraudes.

Isenção de taxas

A expectativa do Banco Central é que a cobrança das transações do Pix seja de R$ 0,01 a cada 10 operações.

"Esse movimento do BC é bem interessante porque abre espaço para a competição e tem boas propostas, que são a rapidez e a isenção de taxas. Eles vão diminuir os custos com o Pix, então, é mais provável que os players que já tem taxas reduzidas possam zerar as taxas e os players grandes podem acabar sendo puxados pela questão da competitividade", analisa o empresário Carlos Terceiro.

Terceiro também apontou para a capacidade de inclusão do PIX, já que o Banco Central anunciou que os processos deverão ser bem simples, sendo gerenciados por um aplicativo com a conta vinculada a um CPF e um e-mail.

"A ideia é que o Pix chegue para todo mundo que tem a capacidade de mandar dinheiro possa fazer isso como se manda uma mensagem. Uma Ted precisa de muita informação e o Pix promete ser muito mais fácil. É um projeto de inclusão", disse.

FONTE: Portal Contábeis

Veja também

Pronampe: crédito ainda precisa de regulamentação para chegar às empresas26/05/20 Apesar de sancionado pelo presidente, operações do programa devem começar no final do mês O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) foi sancionado no dia 19 de maio, mas deve precisar de alguns dias a mais para chegar às micro e pequenas empresas. O governo ainda precisa regulamentar e liberar o recurso necessário ao......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.