Aba 1

Postado em 08 de Dezembro de 2016 às 08h59

Representantes do setor produtivo solicitam o adiamento da votação da Reforma Tributária

Acenm/CDL Na tarde desta quarta-feira, 07, os líderes da classe empresarial do estado se reuniram na Fecomercio com os deputados Oscar Bezerra, Sebastião Rezende, Dilmar Dal Bosco e Carlos Avalone, que fazem parte da Frente...

Na tarde desta quarta-feira, 07, os líderes da classe empresarial do estado se reuniram na Fecomercio com os deputados Oscar Bezerra, Sebastião Rezende, Dilmar Dal Bosco e Carlos Avalone, que fazem parte da Frente Parlamentar em Defesa do Setor Produtivo do Comercio de Bens, Serviços e Turismo e com o secretário de estado de Planejamento, Gustavo de Oliveira, que assumirá a Secretaria de Fazenda após a saída de SeneriPaludo. Também participaram da reunião vários empresários do estado, além do presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Mato Grosso - FACMAT, Jonas Alves e do presidente da Associação Comercial e Empresarial de Tangará da Serra, Vander Masson.

A reunião teve como objetivo pedir o apoio político da Assembleia Legislativa para o adiamento da votação do projeto de Reforma Tributária para o próximo ano. “Representamos milhares de empresários deste estado e já fizemos essa reivindicação em outras reuniões. Neste ano estamos passando por muitas dificuldades, muitas empresas já fecharam as portas e temos visto uma grande queda de movimento nas lojas. Queremos que o futuro secretário de Fazenda, Gustavo de Oliveira, nos ajude a fazer com que esta reforma entre em vigor apenas em 2018, para que tenhamos um tempo maior para discutirmos de maneira mais efetiva”, disse Hermes Martins, presidente da Fecomercio.

O presidente da FACMAT, Jonas Alves, reiterou a fala do presidente da Fecomercio. “Nosso governo tem ouvido mas não tem escutado. A sociedade de todo o estado está pedindo o adiamento da votação desta Reforma. Querermos construir uma legislação juntamente com a sociedade no próximo ano. Não podemos aprovar a Reforma Tributária agora para depois discutirmos as leis setoriais. Estamos discutindo grandes mudanças para o estado inteiro e isso precisa ser feito com muita discussão e com tranqüilidade”, falou.

O secretário Gustavo de Oliveira disse que está encerrando seu trabalho na Secretaria de Planejamento e começando a se inteirar sobre o trabalho da SEFAZ. “Precisamos entender quais são os pontos controversos se eles são impeditivos para o avanço da reforma. A necessidade de competitividade do estado é muito grande e essa visão precisa ser uma meta do governo nesse tempo de crise. Vamos olhar a análise da OAB e da Fecomercio sobre a Reforma e ver o que poderá ser feito, mas precisamos avançar. Se não enfrentarmos os desafios, o estado não vai para frente”, comentou Gustavo.

O deputado Oscar Bezerra revelou que a base do governo dentro da Assembleia Legislativa é maior do que a Frente Parlamentar e que, por isso, provavelmente a Reforma será aprovada neste ano ainda. Ele sugere ao governo que, caso seja aprovada, que ela seja colocada em vigor apenas em 2018.

Os representantes das Federações que representam o comércio do estado entregaram ao coordenados da Frente Parlamentar um documento direcionado aos deputados solicitando uma melhor avaliação da Reforma Tributária e a postergação de sua votação.

Fonte: Assessoria da imprensa ACC / FACMAT
Foto: Assessoria da imprensa ACC / FACMAT

Veja também

Optantes do Simples Nacional podem parcelar dívidas com UPF reduzida24/12/13 Contribuintes mato-grossenses optantes pelo Simples Nacional, inclusive os enquadrados na categoria de Microempreendedores Individuais (MEI), que foram excluídos por débito, poderão regularizar todas as pendências fiscais com o Estado e realizar nova opção em 2014. Em razão da quantidade de contribuintes com débitos, cerca de 20 mil, devidamente notificados......
Vendas do dia dos namorados superou 2016, mas ficou abaixo do esperado16/06/17    O Dia dos Namorados é uma das datas mais importantes para o comercio pois significa a oportunidade de aumentar as vendas, o que não aconteceu, as vendas caíram 9,61% este ano em comparação com o resultado do......

Voltar para Notícias