Aba 1

Postado em 03 de Dezembro de 2015 às 19h17

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA: Comércios têm menos de um mês para se adaptar às novas regras

A maioria das empresas ainda não se deu conta da complexidade do processo de adequação

Acenm/CDL A maioria das empresas ainda não se deu conta da complexidade do processo de adequação A partir de 1º de janeiro de 2016, as empresas de todo o Brasil que trabalham com vendas de produtos em geral terão de estar adaptadas ao...

A partir de 1º de janeiro de 2016, as empresas de todo o Brasil que trabalham com vendas de produtos em geral terão de estar adaptadas ao Código Especificador da Substituição Tributária – Cest. A obrigação pode ser conferida no Convênio ICMS nº 92.

O novo Código será composto por sete dígitos e na prática estabelecerá sistemas de padronização e o reconhecimento dos produtos passíveis das regras da substituição tributária e de antecipação de recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços - ICMS com o encerramento de tributação, relativos às operações subsequentes.

O Cest deverá ser informado no documento fiscal, independentemente da operação, mercadoria ou bem estarem sujeitos aos regimes de substituição tributária. As empresas que não tiverem o código CEST no XML terão a nota eletrônica rejeitada, conforme definido na Nota Técnica nº 03/2015. Consequentemente, isso pode impactar faturamento e vendas.

O cálculo do ICMS continuará a ser feito de acordo com a legislação estadual, como ocorre atualmente, mas o Cest será o mesmo em todo o País. A ideia do governo é reduzir as autuações fiscais e devolução do produto ou nota fiscal por má interpretação.

Quem tem que se adaptar?

Todos que trabalham com autopeças; bebidas alcoólicas; cervejas, chopes, refrigerantes, águas e outras bebidas; cigarros e outros produtos derivados do fumo; cimentos; combustíveis e lubrificantes; energia elétrica; ferramentas; lâmpadas; máquinas e aparelhos mecânicos, elétricos, eletromecânicos e automáticos; materiais elétricos, de limpeza ou construção e congêneres; medicamentos e outros produtos farmacêuticos para uso humano ou veterinário; pneumáticos, câmaras de ar e protetores de borracha; produtos alimentícios; produtos de higiene pessoal, perfumarias, cosméticos e termômetros; produtos de papelaria; produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos; rações para animais domésticos, entre outros produtos, terão de se adaptar ao novo regime.

Fonte: Marcelo Simões / De León Comunicações

Veja também

Proposta para o desenvolvimento do Polo tecnológico de Nova Mutum é apresentada em reunião entre poder público e sociedade civil organizada07/06/16Acenm/CDL avalia positivamente a proposta O primeiro passo para a implantação do polo tecnológico no município de Nova Mutum foi dado (31/05) terça-feira, quando foi realizada no Sindicato Rural a reunião entre poder público e sociedade civil organizada sobre políticas públicas para o desenvolvimento do polo de inovação de Nova Mutum, atração de empresas de tecnologia......
Mato-grossenses já pagaram em tributos o total arrecadado em todo o ano passado16/12/19 Para se ter uma ideia, em todo o ano passado, o estado recolheu o montante de R$ 34.580 bilhões Os mato-grossenses já pagaram em tributos, ou seja, em impostos, taxas, contribuições e até multas, o valor total arrecadado durante todo o ano de 2018 no......
Sefaz altera regras e prazos para uso da NFC-e24/12/13 A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz-MT) comunica que promoveu mudanças nas normas que disciplinam o uso da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e). Conforme as novas regras aprovadas pelo Decreto nº 2050/2013, a partir de......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.