Aba 1

Postado em 24 de Fevereiro de 2020 às 08h12

Setor produtivo une forças para levantar propostas favoráveis a MT frente à reforma tributária nacional

SEFAZ-MT (23)Economia e mercados (144)Jurídico e Tributário (116)

Setor produtivo une forças para levantar propostas favoráveis a MT frente à reforma tributária nacional

Diversos representantes do setor produtivo de Mato Grosso, dentre eles a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Mato Grosso (Facmat), reuniram-se na manhã desta sexta-feira (21.02), com o senador Wellington Fagundes (PL-MT), na sede da Fiemt, para debater sobre os possíveis posicionamentos do setor frente à reforma tributária no Brasil, em análise no Congresso Nacional. Na ocasião, os representantes indicaram integrantes próprios que irão compor uma comissão especial apta para intermediar as discussões sobre o tema.

Na última quarta-feira (19.02), o Congresso Nacional instalou a comissão mista que irá elaborar um texto único sobre o assunto e que deve ser levado para votação em 45 dias. São 25 deputados federais e 25 senadores que terão como base os projetos que já estão sendo analisados pelos parlamentares: IBS (Imposto sobre Bens e Serviços) - PEC 45/2019, do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), com complementos da PEC 110/2019, do Senado.

Ambas concentram-se na criação de um IVA (Imposto sobre Valor Agregado) para simplificar tributos cobrados ao longo da cadeia produtiva e que refletem no preço final pago pelo consumidor. Essa é a preocupação do setor produtivo de Mato Grosso, já que as propostas concentram-se na cobrança sobre o consumo, o que pode prejudicar a economia de Mato Grosso, que tem perfil de produtor e não de consumidor.

Integrante da comissão mista, o senador Wellington Fagundes sugeriu o debate entre os setores produtivos de Mato Grosso, para que ganhem força frente às regiões mais "fortes", como o Sudeste, por exemplo. "Precisamos nos organizar para chegar à Brasília com mais condições de igualdade que as propostas que queiram ser extremamente regionais, por exemplo, o Sudeste, que tem uma proposta muito forte na Câmara, e que isso não nós impeça de abordar que temos regiões diferenciadas no país", explicou.

Presente na reunião, o presidente da Facmat e da Associação Comercial e Empresarial de Cuiabá (ACC), Jonas Alves, ressaltou a importância em se discutir a reforma tributária nacional e levar propostas regionais ao Congresso, para que o setor produtivo do Estado não seja prejudicado. "Estamos alertando sobre a reforma tributária nacional desde o ano passado, precisamos nos unir para apresentar nossas próprias reivindicações e não sermos prejudicados com mais aumento de carga tributária", analisou Alves.

A Facmat foi uma das primeiras entidades no Estado a iniciar as discussões sobre a reforma tributária nacional, trazendo em 2017 para Cuiabá o deputado federal Luiz Carlos Hauly, na época, autor de PEC 110 no Senado, e o deputado federal Efraim Filho, que apresentou um panorama sobre o tema em outubro do ano passado.

Para o presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo Oliveira, a proposta de reforma deve ser o mais abrangente e completa possível, sem deixar pontos para decidir depois. "Caso contrário, corremos o risco de investimentos migrarem de Mato Grosso para o Sul e Sudeste. E não teremos outra oportunidade para voltar ao tema nos próximos anos", afirmou, alertando ainda sobre um possível colapso na economia do Estado caso a proposta não sofra alterações. "A proposta oferece um risco seríssimo para Mato Grosso e também para os estados do Norte e Nordeste, pois transfere a base de arrecadação para o local de consumo?, completou Oliveira.

Além da Facmat, a reunião contou com a presença de representantes da Fecomércio-MT, Fiemt, CDL Cuiabá, Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), SindiPetróleo, FCDL, Sebrae, além de membros do agronegócio e empresários.

Fonte: FACMAT
foto: Assessoria de Imprensa da FCDL-MT

Veja também

Simples Nacional: micro e pequenas empresas já podem pagar tributos com Pix26/04 O contribuinte pode pagar o DAS pela nova ferramenta de pagamentos instantâneos do Banco Central. Mais de 16 milhões de micro e pequenas empresas e de microempreendedores individuais (MEI) já podem usar o Pix para recolher os tributos do Simples Nacional. Com a nova tecnologia, o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) terá um QR Code. Basta o......
Redesim agiliza pedidos de abertura de empresas22/05/20 Em abril, a maioria dos processos de abertura de empresas foram realizados em menos de três dias. No mês de abril, mais de 70% dos processos de abertura de empresas e negócios no País foram realizados em menos de três......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.